15
Ago
2013
EXEMPLOS DE PERIODIZAÇÃO NA MUSCULAÇÃO VII
Por: Denis Foschini

Periodização linear reversa visando resistência muscular para alunos iniciantes, intermediários e avançados.



Sugestão de periodização linear reversa para resistência muscular em indivíduos iniciantes, intermediários e avançados com três sessões semanais, adaptada de Rhea et al. (2003) (Figura 19). Todas as recomendações levantadas para a periodização linear citadas acima podem ser aplicadas na periodização linear reversa, de acordo com o nível de aptidão física do aluno, freqüência semanal e fadiga apresentada nos treinamentos. Um aspecto a ser considerado é a mudança do tipo de periodização ao longo dos ciclos de treinamento, se o indivíduo já realizou por um tempo considerável a periodização linear, nos ciclos seguintes podemos aplicar a linear reversa ou a ondulatória e assim por diante.


Periodização ondulatória visando resistência muscular para alunos iniciantes, intermediários e avançados.


O modelo ondulatório também pode ser aplicado para resistência muscular conforme figura 20. Sugere-se a utilização desta periodização para alunos intermediários e avançados, os quais precisam de maior variabilidade de estímulos para continuar obtendo resultados. Por exemplo, após 12 semanas de treinamento para resistência muscular com a periodização linear, no próximo ciclo o aluno poderia fazer à ondulatória. As mesmas variações mencionadas para as periodizações linear e linear reversa poderão ser utilizadas de forma ondulatória.


Considerações finais sobre periodização do treinamento de força


Sabemos que mesmo sem periodizar, utilizando cargas fixas, os indivíduos ganham capacidade funcional nos primeiros meses. A questão que norteia a organização das variáveis parece ser os ganhos a longo prazo. Deste modo, a periodização do treinamento é uma ferramenta importante no planejamento do programa de exercícios de praticantes de treinamento de força em academias e atividade personalizada, visando tanto à melhora como a manutenção dos benefícios obtidos, não apenas em curto prazo, mas sim ao longo dos anos.

Não obstante, determinar o ponto de maximização de programas individualizados pelo treinamento constitui uma importante tarefa para os profissionais da área da fisiologia do exercício, condicionamento físico e treinamento de força, de tal modo que, o desenvolvimento das manifestações força e melhora da composição corporal possam ser otimizados por meio da manipulação e prescrição das variáveis inerentes a esse processo.

Gostaríamos de ressaltar que os modelos sugeridos nas aplicações práticas podem ser modificados e não constituem uma regra fixa. Não há dúvida que os trabalhos científicos fornecerão futuras modificações para as diferentes periodizações e que nossos exemplos estão sujeitos a alterações. Cada um de nossos alunos é um quadro que deve ser pintado e lapidado, podemos seguir um estilo, mas a pintura final é individualizada.


 


REFERÊNCIAS


AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM) POSITION STAND. Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Med Sci Sports Exerc, v.34, n.2, p.364–380, 2002.


AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (ACSM) POSITION STAND. Progression models in resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc, v.41, n. 3, p.687-708, 2009.


BAKER, D; WILSON, G; CARLYON, R. Periodization: the effect on strength of manipulating volume and intensity. J Strength Con Res, v.8, n.4, p.235-242,1994.


BARBANTI, V J. Treinamento físico: bases científicas. 3 ed. São Paulo: CRL Balieiro, 2001.


BOMPA, T O. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. 4ª ed. São Paulo: Phorte Editora, 2002.


BOMPA, T O. Treinamento de Força: levado a sério. 2 ed. Barueri: Manole, 2004.


BROWN, L E. Nonlinear Versus Linear Periodization Models. Strength Cond J, v.23, p.42-44, 2001.


BROWN, L E; GREENWOOD, M. Periodization Essentials and Innovations in Resistance Training Protocols. Strength Cond J, v.27, n.4, p.80–85, 2005.


CHILIBECK, P D; CALDER, A W; SALE D G; WEBBER, C E. A comparison of strength and muscle mass increases during resistance training in young women. Eur J Appl Physiol, v.77, n. 1-2, p. 170-175, 1998.


DESCHENES, M R.; KRAEMER, W J. Performance and physiologic adaptations to resistance training. Am J Phys Med Rehabil, v.81, p.S3-S16, 2002.


FLECK, S J. Periodized strength and strength training: a critical review. J Strength Cond Res, v.13, n.1, p.82-89, 1999.


FLECK, S J; FIGUEIRA, A J. Treinamento de força para fitness & saúde. São Paulo: Phorte Editora, 2003.


FLECK, S J; KRAEMER, W J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.


FOSCHINI, D. Efeitos de diferentes tipos de treinamento físico associados à intervenção multidisciplinar em adolescentes obesos. Tese de doutorado. Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP/EPM, 2008.


FOSCHINI, D F; ARAÚJO, R C; BACURAU, R F P; DE PIANO, A; ALMEIDA, S S; CARNIER, J; ROSA T S; MELLO M T; TUFIK S; DÂMASO A R. OBESE ADOLESCENTS: WHAT IS THE INFLUENCE OF PERIODIZATION MODELS AND ACE GENOTYPE?. Obes Res, no prelo, 2009.


HERRICK, A B; STONE, W J. The effects of periodization versus progressive resistance exercise on upper and lower body strength in women. J Strength Cond Res v.10, n. 2, p.72-76,1996


HUNTER, G R; WETZSTEIN, C J; MCLAFFERTY, J R; ZUCKERMAN, P A; LANDERS, K A; BAMMAN, M M. High-resistance versus variable-resistance training in older adults. Med Sci Sports Exerc, v.33, n.10, p.1759-1764, 2001.


KRAEMER, W J; VOLEK, J S; CLARK, K L; GORDON, S E; INCLEDON, T; PUHL, S M; TRIPLETT-MCBRIDE, N T; MCBRIDE, J M; PUTUKIAN, M; SEBASTIANELLI, W J. Physiological adaptations to a weight-loss dietary regimen and exercise programs in women. J Appl Physiol, v.83, n. 1, p.270–279, 1997.


KRAEMER, W J; RATAMESS, N; FRY, A C; TRIPLETT-MCBRIDE, T; KOZIRIS L P; BAUER, J A; LYNCH, J M; FLECK, S J. Influence of resistance training volume and periodization on physiological and performance adaptations in collegiate women tennis players. Am J Sports Med, v.28, n.5, p. 626-633, 2000.


KRAEMER, W J; HÄKKINEN, K; TRIPLET-MCBRIDE, T; FRY, A C; KOZIRIS, L P; RATAMESS, N A; BAUER, J E; VOLEK, J S; MCCONNELL, T; NEWTON, R U; GORDON, S E; CUMMINGS, D; HAUTH, J; PULLO, F; LYNCH, J M; MAZZETTI, S A; KNUTTGEN, H G. Physiological changes with periodized resistance training in women tennis players. Med Sci Sports Exerc, v.35, n.1, p.157-168, 2003.


KRAEMER, W J; HÄKKINEN, K. Treinamento de força para o esporte. 1 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.


KRAEMER, W J; NINDL, B C; RATAMESS, N A; GOTSHALK, L A; VOLEK, J S; FLECK, S J; NEWTON, R U; HÄKKINEN, K. Changes in muscle hypertrophy in women with periodized resistance training. Med Sci Sports Exerc, v.36, n.4, p.697–708, 2004.


KRAEMER, W J; NINDL, B C; MARX J O; GOTSHALK, L A; BUSH, J A; WELSCH, J R; VOLEK, J S; SPIERING, B A; MARESH, C M; MASTRO, A M; HYMER, W C. Chronic resistance training in women potentiates growth hormone in vivo bioactivity: characterization of molecular mass variants. Am J Physiol Endocrinol Metab, v.291, p.E1177–E1187, 2006.


KRAEMER, W J; FLECK, S J. Otimizando o Treinamento de Força. 1ed. São Paulo: Editora Manole, 2009.


MARX, J O; RATAMESS, N A; NINDL, B C; GOTSHALK, L A; VOLEK J S; DOHI, K; BUSH, J A; GOMEZ, A L; MAZZETTI, S A; FLECK, S J; HÄKKINEN, K; NEWTON, R U; KRAEMER, W J. Low-volume circuit versus high-volume periodized resistance training in women. Med Sci Sports Exerc, v.33, p.635–643, 2001.


MATVEEV, L P. Teoría General del Entrenamiento Deportivo. Editorial: Paidotribo, 2001.


MAZZETTI, S A; KRAEMER, W J; VOLEK, J S; DUCAN, N D; RATAMESS, NA; GOMEZ, A L; NEWTON, R U; HÄKKINEN, K; FLECK, S J. The influence of direct supervision of resistance training on strength performance. Med Sci Sports Excerc, v.32, n.6, p.1175–1184, 2000.


NEYLAN, T C; SELYE, H. Hans Selye and the Field of Stress Research. J Neuropsychiatry, v.10, n.2, p.230-231, 1998.


NINDL, B C; HARMAN, E A; MARX, J O; GOTSHALK, L A; FRYKMAN, P N; LAMMI, E; PALMER, C; KRAEMER, W J. Regional body composition changes in women after 6 months of periodized physical training J Appl Physiol, v.88, p.2251-2259, 2000.


PRESTES, J; FROLLINI, A B; BORIN, J P; MOURA, N A; JÚNIOR, N N; PEREZ, S E A. Efeitos de um treinamento de 16 semanas sobre a composição corporal de homens e mulheres. Rev Bras Ativ Fis Saúde, v.11, n.1, p.19-28, 2006.


PRESTES, J; DONATTO, F F; LEITE, R D; CARDOSO, L C; STANGANELLI, L C R. Efeitos do treinamento de força periodizado sobre a composição corporal e níveis de força máxima em mulheres. Rev. Bras. Educ. Fis. Esporte Lazer e Dança, v.3 n.3, p.50-60, 2008.


PRESTES, J; DE LIMA, C; FROLLINI, A B; DONATTO, F F; CONTE, M. Comparison of linear and reverse linear periodization effects on maximal strength and body composition. J Strength Cond Res, v.23, n.1, p.266-74, 2009a.


PRESTES, J; FROLLINI, A B; DE LIMA, C; DONATTO, F F; FOSCHINI, D; MARQUETI, R C; FIGUEIRA Jr, A; FLECK, S J. Comparison between linear and daily undulating periodized resistance training to increase strength. J Strength Cond Res, no prelo, 2009b.


RHEA, M R; BALL, S B; PHILLIPS, W T; BURKETT, L N. A comparison of linear and daily undulating periodization with equated volume and intensity for strength. J Strength Cond Res, v.16, p.250–255, 2002.


RHEA, M R; PHILLIPS, W T; BURKETT, L N; STONE, W J; BALL, S B; ALVAR, B A; THOMAS, A B. A comparison of linear and daily undulating periodized programs with equated volume and intensity for local muscular endurance. J Strength Cond Res, v.17, n.1, p.82–87, 2003.


RHEA, M R; ALDERMAN, B L. A meta-analysis of periodized versus nonperiodized strength and power training programs. Res Q Exerc Sport, v. 75, n. 4, p. 413- 422, 2004.


RHEA, M R. Determining the magnitude of treatment effects in trength Training research through the use of the effect size. J Strength Cond Res, v. 18, n.4, p. 918-920, 2004.


PETERSON, M D; RHEA M R; ALVAR B A. Applications of the dose-response for muscular strength development: a review of meta-analytic efficacy and reliability for designing training prescription. J Strength Cond Res, v.19, n.4, p.950-8, 2005.


SCHIOTZ, M K; POTTEIGER, J A; HUNTSINGER P G; DENMARK, DC. The short-term effects of periodized and constant-intensity training on body composition, strength and performance. J Strength Cond Res, v.12, n.3, p.173–178, 1998.


STONE, M H; O’BRYANT, H S; GARHAMMER, J. A hypothetical model for strength training. J Sports Med Phys Fitness, v.21, n.336, p.342–351, 1981.


VOROBYEV, A N. A Textbook on Weightlifting. Budapest: International Weightlifting Federation, 1978.


WOLFE, B L; LEMURA, L M; COLE, P J. Quantitative analysis of single- vs. Multiple- set programs in resistance training. J Strength Cond Res, v.18, n.1, p.35-47, 2004.


Clique aqui para baixar o arquivo.